quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Que seja realmente novo...

O que eu desejo para 2012? Desejo risos largos, se possível constantes e tão fáceis quanto os que eu dava na época em que o peso da responsabilidade era bem menor do que a necessidade de perder o fôlego e ficar com dor na barriga de tanto rir com os amigos.

Desejo mais nuvens em nossos sonhos, mais flores nos caminhos e passáros cantarolando em nossas manhãs.


Desejo a alegria boba de uma criança, mais tempo para estar perto de quem se ama, mais amor ao próximo e respeito a todo ser vivo, eu disse TODO SER VIVO!

Em 2012 desejo que o justo conquiste, desejo que aquele que errou tenha chance de acertar e que as pessoas que alimentam maldade no coração sejam esquecidas por nós e perdoadas por Deus.

Feliz ano novo e que tudo seja realmente novo... amém!



quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Aos meus colos protetores...

Hoje escutei uma música linda do Leoni, foi identificação imediata... nela ouvi o resumo de todo amor que recebi.

Enquanto eu escutava a canção, recordei de cada abraço, me lembrei dos olhos que me acompanharam inundados de cumplicidade e amor, dos braços que me apertaram contra o peito e me fizeram sentir um coração quando o meu parecia quase não ter mais força para continuar.

Me lembrei que nos momentos de dor e medo, eu jamais estive sozinha... pelo contrário, me sentia embalada como uma criança que busca refugio no colo protetor, isso não me faltou, colos protetores de pessoas que me amam.

Aos meus colos protetores dedico esta canção que num olhar, sorriso, abraço ou apenas companhia tantas vezes vocês cantaram para mim.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O meu ano...

Este foi um ano difícil para muitos, no meu caso foi também um ano de muita cura e superação.

Confesso que trago comigo alguns sorrisos e planos reservados para 2012... sorrisos que darei e planos que colocarei em prática, com a ajuda do meu bom Deus.

Neste ano reatei laços importantes de amizade, resolvi conflitos internos, compartilhei segredos com quem mereceu ouvi-los e finalmente, aprendi a me incluir em meus planos.

Preciso dizer (num instante totalmente egoísta...rsrs), que 2012 será o meu ano! Não abro mão disso... depois de tanto aprendizado eu mereço que seja.

Passei por tanta coisa, que certamente daria um roteiro de novela... coisas que me trouxeram maturidade e crescimento pessoal.

O melhor de tudo foi conseguir reconhecer meus verdadeiros amigos... aqueles que optaram por segurar minha mão sem me julgar, que confiaram em mim e acreditaram no caráter que eu sempre demonstrei ter... estes, que me deram o direito de errar e fazer diferente, que choraram o meu choro e sorriram ao ver um sorriso em meu rosto, estes sim, estarão comigo para sempre.

Tais coisas tornaram a Cynthia de hoje diferente daquela que vocês conheceram há tempos atrás, pois tudo, absolutamente tudo, contribuiu para que eu me tornasse uma pessoa melhor.

O ano de 2011 também foi o ano do voluntariado em minha vida, aprendi que não basta apenas respeitar, é importante  participar de causas sociais... o resultado é mágico! Como é bom fazer o bem sem nada em troca, apenas com o intuito de doar amor... isso se chama solidariedade.

No que depender de mim, o voluntariado nunca mais estará fora dos meus planos.

Patinhas Online



Casa do Zezinho

Mutirão de Castração Solidária



No fim das contas, eu doei um pouquinho do meu tempo e ganhei muito mais do que perdi.

Que venha o meu ano, que venha 2012... estarei esperando de braços abertos!!!

domingo, 4 de dezembro de 2011

Simplicidade

Simplicidade
Pato Fu

Vai diminuindo a cidade
Vai aumentando a simpatia
Quanto menor a casinha
Mais sincero o bom dia

Mais mole a cama em que durmo
Mais duro o chão que eu piso
Tem água limpa na pia
Tem dente a mais no sorriso

Busquei felicidade
Encontrei foi Maria
Ela, pinga e farinha
E eu sentindo alegria

Café tá quente no fogo
Barriga não tá vazia
Quanto mais simplicidade
Melhor o nascer do dia

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Pois é dando que se recebe...

Vou aproveitar que o fim de ano está chegando e o espírito natalino pairando nos corações, para contar um pouquinho da minha experiência como voluntária em ONGs voltadas para cuidar de cães abandonados.

A primeira vez que fui ao www.patinhasonline.com.br não sabia se chorava ou sorria ao ver o amor e a alegria com que aqueles animais recebiam os voluntários que estavam ali para passar parte do dia ao lado deles. Pulavam, deitavam de barriga para cima, lambiam, pediam carinho e o rabo não parava por um só minuto, tudo isso em fração de segundos. Depois dos peludos darem as boas vindas, eles queriam andar, cheirar, ganhar o mundo mesmo sendo guiado por um estranho, afinal, eles ficam trancados durante um mês esperando pelo dia do mutirão, que acontece sempre no último domingo do mês.

Quando tem sol os voluntários chegam preparados para dar um bom banho no seu protegido do dia, quando está frio apenas levam para passear e dedicam muito amor, carinho e a maioria chega carregado de petiscos, os peludos adoram!

Entrei naquele abrigo pensando em ajudar e até melhorar a vida daqueles animais, nem que fosse por apenas algumas horas... mas quem saiu diferente, quem foi ajudada e se tornou uma pessoa melhor fui eu.

A ajuda pode ser dada de várias maneiras, pessoalmente com amor e carinho, com doações, adotando, participando, divulgando, doando sua casa como lar provisório, apadrinhando os animais... o importante é ter a consciência de que juntos, cada um fazendo a sua parte, conseguiremos fazer a diferença.

Dia 27/11 vou conhecer uma nova ONG chamada Cão Sem Dono, é um projeto muito bacana e o abrigo fica em Itapecerica da Serra. Já no dia 11/12 vou participar da Cãominhada que o Patinhasonline vai realizar... assim vou seguindo minha vida, me enchendo deste amor que é tão sincero e incondicional.

Quero convidar vocês a entrar nos sites www.caosemdono.com.br e www.patinhasonline.com.br conhecer os projetos. Não é necessário muito, se resolver participar do mutirão irá gastar apenas umas horinhas uma vez ao mês para estar ao lado dos peludos, claro que se cadastrando no site você não fica obrigado a participar de todos os mutirões, apenas dos que você confirmar presença por e-mail.

Faça algo diferente neste final de ano, quem sabe no ano que vem você fará parte da turma que torna tudo isso possível:

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Para o nosso grãozinho de arroz...


Ainda não vi seu rostinho, não sei se no seu primeiro aniversário vou te levar carrinhos ou bonecas, ainda não sei se você é o Pedro ou a Alícia... o que sei, é que desde o momento em que eu soube da sua existência, senti um calorzinho no meu coração. Provavelmente vou ser daquelas madrinhas corujas e vou virar criança ao seu lado, provavelmente ficar boba com seus sorrisos e vou chorar quando você conseguir me identificar ao som de uma única silaba.

Quando entreguei para sua mãe o primeiro presentinho que comprei pra você, depois de um tempo de conversa sobre medos, anseios, duvidas, amor, fé e outras coisinhas, ouvi ela dizer que madrinha é a pessoa escolhida para cuidar do afilhado na ausência da mãe, é alguém de confiança com quem se pode contar, dividir responsabilidades, é a pessoa capaz de dedicar carinho, cuidado e amor incondicional. Confesso que na hora me bateu um senso confuso de responsabilidade, desejo vida muito longa a sua mãezinha, mas saber que fui escolhida para ocupar o lugar de madrinha em sua vida me despertou um orgulho bobo e um medo quase infantil, mas prometo que não vou te decepcionar.

Sei que no fim das contas você estará cercado(a) de muito amor... amor da ciumenta tia Adri (rs), do tio Ademir, dos seus primos, da sua avó, das suas tias e tio (irmãos do seu pai que ainda não conheço), da tia Luciana, da tia Stella e o meu amor também. O mesmo amor dedicado a sua mãe que é tão querida por todos nós e ao seu pai que também é um cara especial, será dedicado a você... como se fosse uma espécie de herança afetiva, ou seja, você já é muito amado(a).

Não sei se um dia terei meus filhos, mas sei que já tenho um(a) afilhado(a) que ainda é apenas um grãozinho de arroz como diz sua mãe, o grãozinho de arroz mais amado do mundo!

O mais gostoso disso tudo é saber que fui escolhida quando você ainda era apenas um sonho... por isso meu amor, te espero ao lado de toda sua família, aqui do lado de fora.

Ass.: Dinda

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A metade

Antes de ir embora, depois de uma conversa difícil,  ele me olha com lágrimas nos olhos e diz: "Se Deus me pedisse para escolher entre o sucesso pleno e você, eu nem precisaria pensar... minha escolha seria você."

Naquele momento, assim como em tantos outros ao seu lado, tive a certeza de que eu estava diante do grande amor da minha vida... amor que completa, puro, bom, verdadeiro e maior que eu. 

Em qualquer situação eu também o escolheria, porque acredito que sucesso e realização plena só existe de verdade quando nos sentimos completos e sem você baby, sou apenas uma metade.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Cora Linda!

"Não te deixes destruir...

Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas.

Recria tua vida, sempre, sempre.

Remove pedras e planta roseiras e faz doces.

Recomeça."


Aninha e suas pedras - Cora Coralina

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Demorou, mas ela acordou.

Demorou um ano para que ela percebesse que em qualquer situação o caminho só pode ser percorrido com um passo por vez.

Demorou um ano para que ela percebesse que correr não é a melhor escolha, bom mesmo é a cautela, o passo firme e preciso... sempre com a plena consciência de saber para onde seguir.

Demorou um ano para que ela conseguisse superar o fato de ter vencido a luta, conquistado seus objetivos, porém, na hora exata depois de tudo pronto, não ter conseguido usufruir de absolutamente nada do que fez.

Apesar da dificuldade em aceitar os fatos, no final das contas, ela percebeu que usufruir é o de menos... foi ela quem fez acontecer, deu certo devido a grande profissional que ela é, foi essa moça que fez a roda girar! Esta realidade ninguém vai poder mudar, porque história se constrói, porque mérito se conquista, nada real vem por um passe de mágica.

Demorou longos dias mas hoje, exatamente hoje, ela respirou bem fundo, deu o primeiro passo com os olhos voltados totalmente para o caminho. O objetivo é seguir em frente, já ficou muito tempo parada, é tempo de conquista, existe cheiro de promessa e gosto de vitória no ar.

Ela sabe vencer, hoje se lembrou do quanto é boa nisso...

Que venha a vitória, ela vai vencer todas as dificuldades e qualquer obstáculo que encontrar no caminho!

“A gigante não está mais adormecida”

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Oito

O meu amor é daqueles duradouros, para uma vida inteira e além dela também. É sólido e gentil, feito de doação, entrega, zelo e cumplicidade.

O meu amor é dono de uma beleza impar, de um coração gigante e um sorriso de derrubar leões! É daqueles cheio de conteúdo, culto, agradável, invejável, do tipo raro de se encontrar.

O meu amor é aconchego e carinho, mas também é ciúme... e quando o ciúme vem sai da frente, senão ele atropela!

O meu amor é presente, passado e futuro, é superação, perdão, encontro e reencontro.

O meu amor? Ahhh, o meu amor!!! É dádiva, talismã, o segredo da minha alegria, o motivo que motiva a luta de cada dia... é do tipo que abre não apenas a porta do carro, mas todas as portas possíveis.

Real ou não este é o meu amor, que consegue me fazer acreditar na última gota de esperança, que me faz gigante e me trás vigor.

Este real ou quem sabe utópico amor me proporciona um sentimento bom, me faz sorrir e amar e me deixa bem longe da solidão.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A vida da gente

A vida da gente é assim, incerta.

Hoje estou aqui, escrevendo, pensando, amando... amanhã tudo pode estar diferente (para o bem ou para o mal).

Hoje faço planos... amanhã pode ser que eu mude de idéia.

Hoje ainda há tempo de olhar nos olhos, dizer eu te amo e ganhar um abraço... amanhã, pode ser tarde.

Hoje posso mudar meu futuro e reinventar minha história... amanhã, ao olhar pra trás, posso perceber que não mudei e nem reinventei nada.

Hoje posso ser eu, viver minha vida e minhas escolhas, criar meu espaço, estreitar os laços, conquistar respeito pelo que sou... amanhã pode ser que eu perceba o quanto minha vida foi uma grande mentira, sempre baseada no que o outro esperava de mim. Neste dia, pode ser que eu perceba que já estou velha e sem tempo para fazer diferente.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Palavra de Mulher

MUITO BOM!!! O dvd Chico Buarque Carioca está fantástico!!!


Vou voltar
Haja o que houver, eu vou voltar
Já te deixei jurando nunca mais olhar para trás
Palavra de mulher, eu vou voltar
Posso até
Sair de bar em bar, em bar, falar besteira
E me enganar
Com qualquer um deitar
A noite inteira
Eu vou te amar

Vou chegar
A qualquer hora ao meu lugar
E se uma outra pretendia um dia te roubar
Dispensa essa vadia
Eu vou voltar
Vou subir
A nossa escada, a escada, a escada, a escada
Meu amor eu, vou partir
De novo e sempre, feito viciada
Eu vou voltar

Pode ser
Que a nossa história
Seja mais uma quimera
E pode o nosso teto, a Lapa, o Rio desabar
Pode ser
Que passe o nosso tempo
Como qualquer primavera
Me espera
Me espera
Eu vou voltar

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Reinvento

Ela é do tipo que se cala quando sente dor e prefere resolver seus medos sozinha.

Ela é do tipo que tenta esconder suas fraquezas, que chora no chuveiro e apaga as luzes para que ninguém veja seus olhos vermelhos.

Ela é do tipo que pode carregar o mundo nas costas e mesmo assim diz que suporta o peso.

Ela é do tipo que prefere correr sozinha e não tolera errar, mas erra.

Ela é do tipo que sorri para que não se preocupem, do tipo que se perde em momentos difíceis.

Ela é do tipo que muitas vezes esconde suas preferências para não magoar o outro, é do tipo que enxerga ao redor e derredor, mas esquece de se olhar no espelho.

Ela nunca chegou nem perto da perfeição, aprendeu muito do que sabe fingindo que sabia, porque depois de fato procurou saber.

Ela é do tipo que insiste em ter fé no outro, mesmo que este outro não mereça.

É do tipo que se faz de durona, mas não é de nada... na verdade tem um coração gigante.

Ela é assim não porque gosta, simplesmente é.

Mudar é difícil, se reinventar então parece ser impossível, mas ela sabe que precisa fazer... se reinventar, sair pela porta da frente, não ficar parada olhando pela janela.

Ela sabe... mesmo que a chuva ainda esteja molhando tudo lá fora, que os raios e trovões assustem, está na hora de sair e enfrentar a tempestade.

Eu poderia te dar meu guarda-chuva, mas é hora de sair sem defesa, nem proteção.

"Continuem com fome. Continuem bobos."

Steve Jobs aos 20 anos construiu um império chamado Apple, conquistou respeito, credibilidade, inovou e fez a diferença naquilo que escolheu como profissão.
Aos 30 anos precisou recomeçar sua vida profissional e venceu novamente, mas hoje com 56 anos infelizmente perde a luta contra o câncer.
Escolhi postar este discurso, porque além de emocionante é uma lição de vida! Se você tiver um tempo para assistir vai entender do que estou falando.



"Não enxerguei isso na época, mas ser demitido da Apple foi a melhor coisa que podia ter acontecido para mim. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser de novo um iniciante, com menos certezas sobre tudo. Isso me deu liberdade para começar um dos períodos mais criativos da minha vida. Durante os cinco anos seguintes, criei uma companhia chamada NeXT, outra companhia chamada Pixar e me apaixonei por uma mulher maravilhosa que se tornou minha esposa.
A Pixar fez o primeiro filme animado por computador, Toy Story, e é o estúdio de animação mais bem sucedido do mundo. Em uma inacreditável guinada de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu voltei para a empresa e a tecnologia que desenvolvemos nela está no coração do atual renascimento da Apple.
Foi um remédio horrível, mas eu entendo que o paciente precisava. Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama.
Seu trabalho vai preencher uma parte grande da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz.
Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. E, como em qualquer grande relacionamento, só fica melhor e melhor à medida que os anos passam. Então continue procurando até você achar. Não sossegue."

"Você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só os conecta quando olha para trás. Então tem que acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem que acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, karma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim."

"Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo — expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar — caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração.
Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.
O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém.
Não fique preso pelos dogmas, que é viver com os resultados da vida de outras pessoas.
Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior.
E o mais importante: tenha coragem de seguir o seu próprio coração e a sua intuição. Eles de alguma maneira já sabem o que você realmente quer se tornar. Todo o resto é secundário."
(Steve Jobs)

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

"Fotografar é colocar na mesma linha de mira a cabeça, o olho e o coração."

(Henri Cartier-Bresson)

terça-feira, 20 de setembro de 2011

De olhos fechados...

Ela tenta de todas as maneiras preencher o buraco negro que se alojou em seu peito, mas ele continua lá, aberto, negro e profundo.

Tudo está diferente, ela já não reconhece mais sua vida e o passado insiste em assombrá-la.

Sua fé permite que passos continuem sendo dados, pois quem não avança nunca chegará, por isso ela avança, devagar, a seu tempo, da maneira que consegue, mas avança... é lutando que a vitória vem.

Confusão de sentimentos, saudades, perdas, planos interrompidos... uma história de sucesso e superação temporariamente perdida.

A moça sente falta do dia a dia, das risadas, das brincadeiras, da leveza em viver... ela sente falta das conquistas que ela se orgulhava tanto, do seu espaço, da independência que conquistou. Sente falta até do mau humor matinal e do jeito "italianado" de falar daquelas pessoas que estavam com ela todos os dias e que sempre foi motivo de piada entre eles (no bom sentido).

De olhos fechados ela respira fundo e sente o ar enchendo seus pulmões, um suspiro intenso que parece amenizar sua dor... só parece, mas amanhã é outro dia.

* toda vez que meu celular recebe uma ligação por engano me lembro de vocês.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Canções de Rei...

Ando sem inspiração, imaginação bloqueada, sem conseguir um bom canal para que minha criatividade literária consiga fluir.

O HSA não está abandonado, apenas estou me permitindo ter um tempo para conseguir reciclar algumas coisas aqui dentro de mim.

Massssssss... a música sempre consegue ocupar muito bem o lugar dos meus textos. Por isso, vou postar uma música que acho lindinha!


Canções de Rei

Se eu fosse algum rei,
Fosse o teu Senhor
Eu proclamava a tua boca
Um reinado meu
O teu corpo nu, meu santuário
Se eu fosse algum rei,
Teu imperador
Eu ordenava teu coração a gostar do meu
Cada dia teu, meu calendário...
Inventava canções de rei,
Conquistava o teu amor,
Desobedeceria a lei,
Revelava quem eu sou
Te mostrava que só eu sei,
Onde tudo começou
Inventando canções de rei
Pra enfeitar o nosso amor...

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O maior amor do mundo

Ouço sua voz no silêncio e mesmo que o vento traga o seu cheiro; e ainda assim, me faltam seus olhos e o seu sorriso.

Falta a paz que sinto quando está por perto, falta a maciez da sua pele, a firmeza do toque e a doçura do beijo.

Quando decidimos dizer adeus, procurei em outros olhos semelhanças físicas aos seus, até encontrei, mas nunca achei ninguém que me visse do jeitinho que você me via. Foi então que percebi, que não era dos olhos que eu sentia falta, era do seu olhar e de quem você me tornava toda vez que olhava para mim.

Com você aprendi que a dona felicidade pode ser mais feliz do que um dia pensei, aprendi que é possível encontrar um "amor maior que eu" e que não sou louca por ter vontade de sair gritando pela rua "eu amo, eu amo".
Com você aprendi que cumplicidade e respeito são ingredientes fundamentais para manter vivo o amor verdadeiro... aquele sem interesses, que soma e completa.

Foi ao seu lado que conheci e vivi o maior amor do mundo.

"era tão estranho te olhar dentro dos olhos e ver em minha frente tudo que eu sempre quis..."

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Trilhei meu caminho

Nasci e cresci... trilhei meu caminho.

Errei, acertei, ganhei e perdi.

Chorei, sorri, fiz chorar e conquistei sorrisos.

Amei, fui amada, magoei e fui magoada.

Acreditei, me desiludi, criei defesas... hoje ainda ando com meu escudo.

Sou mulher, humana, filha... vezes triste e fraca, outras forte e feliz.

Persisti, desisti, tive duvidas e certezas.

No fim,  aprendi que a vida nos atropela e que ela mesma nos estende a mão.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Estarei por aqui

Hoje acordei com saudade de certos sorrisos, de algumas conversas e das ruas onde muitas vezes firmei meus passos.

Por algumas ruas, nunca mais passei. A vida mudou o rumo... estes novos caminhos deixaram para trás sorrisos e presenças, mas como dizem por ai “o tempo cura tudo”, só não faz desaparecer.

As oportunidades me trouxeram muitas outras pessoas e ruas, mas as particularidades de cada um que ficou para trás, me faz carregar uma saudade que de tempos em tempos quase me sufoca.

Hoje acordei sem ar, mas cheia de vida... como é possível?

No lugar do ar inspiro ausências e expiro lembranças, no lugar das ausências coloco meus projetos e perspectivas, até que funciona! Ao menos tenho conseguido tocar a vida em frente.

Há quem critique meu modo de escrever, há quem se incomode com tanta exposição, há também quem pense que vomitar coisas boas e ruins através de minhas crônicas, é querer fazer espetáculo de algo que deveria ser só meu. Pra que não dividir? Pra que não colocar pra fora se me faz bem? Qual a finalidade de omitir meus sentimentos, se tudo e todos que estão direta ou indiretamente a minha volta me atingem?

Minha vida não é um faz de conta, por conseqüência, meus textos também não! Dinheiro não é tudo, principalmente se não for meu! Não finjo que amo nem que choro, não finjo amizade nem rancor, não coloco banalidades e futilidades na frente do que realmente importa, não sou dona da verdade, mas as minhas me pertencem e faço delas o que eu quiser.

Não me incomodo com a crítica, me incomodo com a maldade.

Por isso, aos que se sentem incomodados com minhas crônicas “ruins”, é simples. Basta não voltar ao HSA... assine uma boa revista ou um jornal, se ocupe com livros e se concentre na sua vida mega interessante, conquiste amigos influentes e tire vantagem de tudo! ;^)

Já aos meus amigos e seguidores peço desculpas pelo desabafo! Enquanto minhas crônicas trouxerem reflexão e somar de alguma forma, estarei por aqui.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Escuro

Está escuro, ela faz de tudo para ver o que há a sua frente, mas não consegue... são corredores estreitos.

Inevitavelmente chega o medo, o silêncio lhe acompanha... de mãos dadas com a solidão, ela continua dando passos incertos que podem levá-la a lugar nenhum.

As paredes molhadas servem como guia e são a esperança de haver uma saída. O chão está liso, seria fácil escorregar, mas ela continua, segue em frente bem devagar.

Após dias andando, sem dormir, comer ou pensar, ela está exausta... senta-se no chão e chora, suas lágrimas se misturam a toda umidade do lugar, então ela percebe que é tudo regado por lágrimas e que não importa se ela vai continuar andando ou não, não faz a mínima diferença se os passos serão dados ou se ficará ali sentada.

A porta de saída só pode ser aberta pelo lado de fora, desta vez não depende dela. Alguém precisa tirá-la de lá.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Tudo acaba ficando para trás...

Os amigos confidentes e companheiros, das gargalhadas no pátio da escola ficaram esquecidos em algum lugar, a correria e o amadurecimento muitas vezes me deixa a sensação de causar amnésia. Dos meus primeiros "grandes amores" nem me lembro mais, as lágrimas secaram, o mundo não acabou e o sofrimento vivido por mim na época, hoje não passam de histórias que me fazem rir.

Meus sonhos de menina foram substituídos por outros... não fiquei rica, não me tornei cantora, não me formei em medicina, nem em jornalismo, não dei a luz aos três filhos que um dia me prometi... aliás, minha promessa mais descabida.

Em contrapartida, sou uma pessoa bacana, excelente filha para minha mãe, me formei em direito, virei gerente de uma Autarquia Estadual, venci um câncer e depois disso, estou jogando tudo para o alto e hoje corro atrás de um novo sonho.

Infelizmente nunca mais tive notícias da professora Adelina, que adorava minhas redações no ginásio, não sei se ela ainda está viva e se continua lecionando com aquele brilho no olhar. É só fechar os olhos que me lembro muito bem dela, era baixinha, gordinha, cabelos claros, amável, paciente e dedicada, adorava elogiar seus alunos... de certa forma nos fazia sentir especiais pelo simples fato de colocarmos nossos pensamentos no papel.

Já do professor de matemática com cara de maluco, que fazia terrorismo com a matéria, ainda hoje tenho notícias, continua maluco.

A única briga na quadra da escola não me deixou nenhuma cicatriz... aliás, outro dia, depois de anos reencontrei "minha rival" na rua, nos olhamos e sorrimos cordialmente uma para outra.

A morte precoce do meu primo na adolescência ainda dói, continuo achando que não é certo perder quem amamos tão cedo. Fiquei quatro anos sem voltar ao Paraná depois do acidente, com medo de encarar a ausência do Luiz, mas hoje sei que de nada adiantou porque esta ausência não estava apenas lá, eu a trazia dentro de mim... E quando eu precisei voltar para velar o corpo do meu avô, reencontrei minha prima Bel, que chorando me deu um tapa no braço e disse: "nunca mais fique tanto tempo longe da gente"... no fim das contas a ausente fui eu.

Os natais tristes da infância e adolescência, ficaram na infância e na adolescência... hoje graças a Deus não são mais tristes porque me dei conta de que as pessoas mais importantes de minha vida, SEMPRE estiveram ao meu lado e de que a minha família sempre foi completa.

Lembrar das conversas que tinha com meu avô, vítima de três derrames, me faz um bem danado... me lembro de quando contei a ele que eu estava fazendo a faculdade de direito, mesmo com todas as suas limitações, ele me olhou, sorriu e chorou.

Muitos fatos, sonhos, lembranças acabam se perdendo de nós... é uma pena, pois quando paramos, exercitamos a mente e começamos a lembrar desses momentos, percebemos que há um tesouro chamado passado que pertence a cada um de nós.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Só se for por prazer...

Depois de um período turbulento alguns dos meus sonhos começam a se concretizar!

Hoje vivo minha paixão pela arte, coloco em prática minhas escolhas e a vida começa a voltar ao lugar... aprendi que se não houver prazer, não haverá sentido e se não há sentido não deve ser vivido.

Por isso meus amigos, meus leitores e seguidores do Hoje Sou Assim, venho lançar aqui, oficialmente, minha nova carreira, meu novo espaço, minha nova e bela vida profissional!!!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Quando a música fala tudo o que preciso saber...


By Your Side
(Sade)

You think I'd leave your side baby?
You know me better than that
Think I'd leave you down when you're down on your knees?
I wouldn't do that.
I'll tell you the right when you want...
I'll, I'll find the wound, if only you could sink into me...
Oh when you´re cold I'll be there, hold you tight to me
When you´re on the outside baby and you can't get in
I will show you, you're so much better than you know
When you're lost, when you're alone and you can't get backagain
I will find you darling and I'll bring you home
And if you want to cry I am here to dry your eyes, oooo...
In no time you'll be fine.....
You think I'd leave your side baby?
You know me better than that.
Think I'd leave you down when you're down on your knees?
I wouldn't do that
I'll tell you the right when you want...
I'll, I'll find the wound, If only you could sink into me....
Oh when you´re cold I'll be there to hold you tight to me, to me baby.
Ohh when you´re alone I'll be there by your side baby, by your side baby.
Oh when you´re cold I'll be there to hold you tight to me, to me baby.
Ohh when you´re alone I'll be there by your side baby.

Do Seu Lado (Tradução)

Você achou que eu iria abandoná-lo baby?
Você me conhece melhor que isso
Achou que eu te derrubaria estando você já de joelhos?
Jamais faria isso.
Te digo que você age certo quando quer
Eu.. eu encontrarei a ferida, Se você pudesse ao menos conhecer meu interior...
Oh quando estiver com frio estarei lá, te abraçando forte
Quando estiver do lado de fora baby, e não conseguir entrar
Eu te mostrarei que você é bem melhor do que você pensa
Quando estiver perdido, quando estiver sozinho e não puder voltar
Eu te encontrarei amor, e vou te trazer de volta pra casa
E se quiser chorar, eu tô aqui pra enxugar seus olhos, oooo....
Em um instante você se sentirá melhor...
Achou que eu ia sair do seu lado baby??
Você me conhece bem melhor que isso
Achou que eu o deixaria nos seus momentos difíceis?
Eu não faria isso
Você sabe ser correto quando quer
Eu ainda encontrarei essa ferida, Se você pudesse ao menos se afundar em mim...
Oh quando estiver com frio estarei lá para te abraçando forte baby
ohh quando estiver sozinho, eu estarei lá do seu lado, do seu lado baby
Oh quando estiver com frio estarei lá para te abraçar forte baby
ohh quando estiver sozinho, eu estarei lá do seu lado, do seu lado baby

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

20 Anos Blues

20 Anos Blues
Elis Regina

Composição: Vitor Martins e Sueli Costa

Ontem de manhã quando acordei
Olhei a vida e me espantei
Eu tenho mais de 20 anos

E eu tenho mais de mil perguntas sem respostas
Estou ligada num futuro blue

Os meus pais nas minhas costas
As raizes na marquise
Eu tenho mais de vinte muros
O sangue jorra pelos furos pelas veias de um jornal
Eu não te quero
Eu te quero mal

Essa calma que inventei, bem sei
Custou as contas que contei
Eu tenho mais de 20 anos

E eu quero as cores e os colirios
Meus delirios
Estou ligada num futuro blue

Os meus pais nas minhas costas
As raizes na marquise
Eu tenho mais de vinte muros
O sangue jorra pelos furos pelas veias de um jornal
Eu não te quero
Eu te quero mal

Ontem de manhã quando acordei
Olhei a vida e me espantei
Eu tenho mais de 20 anos

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Ter ou não ter, eis a questão!

(Foto de Cynthia Gonçalves)

Nunca ouvi tanto a frase: "você tem filhos?" Como tenho ouvido isso ultimamente! Semana passada, fiz uma bateria de exames e quase todos os médicos me fizeram esta mesma pergunta, quando ouviam a resposta "não", me olhavam disfarçadamente como se eu ainda precisasse completar uma etapa da minha vida, como se eu precisasse ter um filho para que o ciclo se fechasse.

Confesso que por mais estranho que isso possa soar, não sei se quero ter filhos. O mundo anda tão esquisito, as pessoas são tão individualistas e materialistas, não sei se sou capaz de dar a vida a alguém apenas por realização pessoal... não sei. Ao mesmo tempo, a idéia de gerar alguém mexe com qualquer mulher, mas esta responsabilidade assusta... insegurança e medo de que ele não se torne um sujeito de bem.

Não levo jeito para colocar ninguém dentro de uma redoma de vidro, sempre acreditei que o amadurecimento só chega com os erros e acertos, será que estou preparada para permitir que meu filho erre, cresça e amadureça passando por tudo que for necessário sem superprotegê-lo? O engraçado é que me questiono se ele deve ser gerado, pensando exatamente em não expô-lo a este mundo, isso já não é superproteção? rs

Ter meu coração fora do peito, andando por ai, em meio a tantas drogas, violência e maldade me deixariam um pouco angustiada, mas conforme eu disse antes não sei... só sei que se um dia eu decidir que ele venha, será muito amado.. e eu farei de tudo para seguir os passos de minha mãe e acertar.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Fotografia

É fato, eu tenho uma nova paixão... a fotografia!


Esta imagem foi feita por mim na última aula, vocês imaginam como? Então eu vou contar!

Com uma lente especial, peguei uma bolinha de gude, virei o mouse do computador para cima num canto escuro e encaixei a bolinha na saída da luz óptica. A base vermelha na foto é o próprio mouse, não ficou muito legal?

Nos endereços do “Tá na lista porque é bom” tem o meu flickr http://www.flickr.com/photos/cygoncalves, sempre que quiserem passem por lá. Todo sábado atualizo com as fotos tiradas na aula.

Beijos!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

"Tu tome tento com meu coração"

Algumas sensações não saem do meu corpo... seu gosto sempre aparece em minha boca, meus olhos desejam o seu sorriso, minhas mãos procuram por seus cabelos e minha pele se arrepia com lembranças suas.

Meu coração? Ahhh meu coração! Este sim dá trabalho, desde de pequeno tem vontade própria, nunca me obedece e por isso sofre, chora, ama, bate descompassado, mas samba feliz como o mestre sala em plena avenida. 

Na verdade, não sei por que ainda insisto em me apropriar dele, já faz tempo que não é mais meu... Já faz tempo que ele abandonou o meu peito e foi morar em suas mãos.

"E então, tu tome tento com meu coração
Não deixe ele vir na solidão
Encabulado por voltar a sós..."

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Quando você se foi, aprendi que...

Precisamos parar, olhar para dentro de nós e nos olhos do outro. Está faltando enxergar quem nos cerca, agradecer, sorrir, abraçar, falar de amor, expor nossos sentimentos pelas pessoas queridas.

Devemos fazer isso antes que a morte leve embora qualquer possibilidade de escuta. Porque quando ela chega, além de toda dor, nos sufoca com tudo o que não foi dito.


"Eu saí com uma prostituta"

Em um dos exercícios na oficina, retirei um papel dobrado de dentro de uma xícara, neste papel estava descrito o tema da próxima crônica a ser redigida, o meu foi "eu saí com uma prostituta".

Seios expostos e saia curta, ela estava sempre parada no mesmo lugar quando eu passava pelo Jockey Club, depois de dias exaustivos de trabalho.

Farol fechado, no rádio Pink Floyd, lá fora olhos sedutores a me fitar acompanhados de um riso sacana e convidativo. Foi assim por quase um ano, ela já reconhecia meu carro amarelo e ficava em posição de ataque, me devorava, me despia, mexia comigo sem mover um só músculo.

Eu acelerava, o suor escorria em meu rosto, as pernas bambeavam... fugia, fingia que nada estava acontecendo, mas meu corpo sentia tudo e minha imaginação insistia em fazer acontecer.

Férias de julho! Minha família, mulher e filhos viajaram para o interior de São Paulo e passariam o mês todo na casa de familiares. Momento perfeito, ninguém me esperando em casa para jantar.

Paro o carro, abro o vidro, ela caminha em minha direção com um sorriso orgulhoso de quem venceu e conseguiu o que queria.

“Quanto você cobra?”

Ela permanece em silêncio, com o corpo levemente inclinado na janela do meu carro, ainda sorrindo e apreciando a composição do prato principal, no caso eu! Sinto meu sangue borbulhar em meu corpo e ruborizar o meu rosto.

Depois de segundos que duraram uma eternidade ela responde: “Para compensar o tempo que me fez esperar e as manhãs que me fez tomar uma ducha fria, trezentos reais. Você quer?”

“Quero!”

Textos da oficina de crônicas

Na oficina de crônicas fizemos diversos textos através de sorteios de temas ou exercícios previamente definidos pela Milly. No decorrer das aulas criamos textos sobre nossas experiências pessoais e também, nos apropriamos de vários personagens para poder escrever sobre coisas que nunca vivenciamos de fato.

Fizemos nossa imaginação criar vida através das palavras, fui um homem que saiu com uma prostituta, vivenciei momentos num hospital, descrevi as mãos de uma mulher sob um olhar homossexual, pedi desculpas a alguém, fui preconceituosa, vivi uma segunda-feira caótica, olhei as ruas de São Paulo com o olhar de um turista, entre outras coisas. Enfim, a crônica não é uma receita de bolo, tudo vale desde que tenha riqueza nos detalhes e conteúdo na imaginação.

Vou postar alguns textos aqui, espero que gostem!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Luto

Mais um dia que deveria ser como outro qualquer, porém ontem não foi. Logo pela manhã o telefone tocou e recebi a notícia de que uma amiga querida havia falecido... "ataque cardíaco, morte súbita" disse a voz chorosa do outro lado da linha.

A noite foi fria, cheia de narizes vermelhos, olhos inchados e tristeza nos corações dos que sempre guardarão um cantinho para ela. Moça de sorriso fácil e mãos SEMPRE estendidas para ajudar ao próximo. Mãe de dois filhos lindos, um com quatorze e o outro com dez anos.

Enquanto estava diante do caixão, eu só conseguia pensar no quanto aquilo tudo estava errado! Ela tinha apenas quarenta anos e a vida inteira pela frente, dois filhos para criar, sonhos e planos para realizar. A morte tirou o direito que ela tinha de seguir em frente, acabou com tudo em fração de segundos na frente do filho mais velho. Tudo errado!

Esta noite inteira sonhei com ela, a imagem do rosto lindo, sereno e jovem entre as flores, embaixo do véu. No meu sonho eu a ouvia dizendo “ o que esta sujeita tá pensando que é?” ela sempre brincava comigo assim, me chamando de sujeita.

Estou muito triste pela perda, preocupada com os meninos e angustiada por nunca ter dito a ela o quanto era especial. Esta foi a última lição que a moça me deixou, devemos falar de amor aos que ainda podem sentir e escutar o quanto são amados.

Vai com Deus Lu, tenho certeza de que agora você está feliz e fazendo seus deliciosos pavês para os anjos no céu.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Olhos de jabuticaba e nariz de botão

Olhinhos de jabuticaba que me seguem atentos por onde eu for... nariz que lembra um botão!

Orelhas em pé... prontas para correr em disparada com a bolinha na boca, sempre esperando pelo momento da brincadeira. Se eu demoro vocês resmungam, rosnam, choram, até que resolvo arremessar... daí vocês correm felizes e satisfeitas, rebolando e abanando o rabo por terem recebido a atenção que é tão comemorada.

Repetimos o ritual algumas vezes e depois vocês correm para o meu colo, se ajeitam e ficam comigo. Uma quando deitada, adora se esticar e apoiar a cabeça nas patas, a outra se enrola, quase parecendo uma vírgula.

Nesses quase cinco anos aprendi a reconhecer suas vontades e particularidades, sei qual de vocês ama deitar sob a luz do sol e quem adora descobrir pedaços de ossinhos (de couro de boi) pela casa ou embaixo dos móveis.

Quando estou triste as duas ficam ao meu lado, se estou alegre pulam e fazem festa... vocês me conhecem tão bem, talvez melhor que eu mesma.

Não imagino minha vida sem a doçura da presença, sem o afago das lambidas ou o barulhinho das patinhas andando pela casa. Não consigo pensar em felicidade sem o amor incondicional que ganho todos os dias, sem os olhares carregados de ternura e a festa que fazem sempre quando chego cansada em casa.

Nada é para sempre, e mesmo sabendo que é impossível, peço a Deus todos os dias que seja eterno. Peço com toda força do meu coração que vocês duas estejam sempre ao alcance das mãos.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Ar

Mãos e pés atados, a água submergindo meu corpo. Meu grito agora são bolhas que sobem para a superfície sem ruído algum.

Ar, me falta o ar... a água está turva e gelada, estou envolta por solidão, medo e silêncio.

Não há o que fazer, meus movimentos terminam lentamente em nada enquanto meu corpo desce.

Olhos abertos, as bolhas já não sobem mais, só me resta esperar.

Olhos fechados, não sinto meu corpo... o despertador toca, já é outro dia.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Escrito pelo homem da minha vida! (Fernando Pessoa)

"Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?"

Sim, é e sempre será para você.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Mudança

Quem disse que mudar é fácil? Desta vez não estou pensando no lado poético da palavra mudar, estou falando do concreto mesmo... rs

Faz uma semana que estamos nos preparativos para o grande dia, assinatura de contrato, limpeza do ap novo que é maior e dá mais trabalho, correr atrás de caixas de papelão, comprar fita para fechar as caixas, plástico bolha para embalar móveis, tampar os buracos de parafuso na parede do ap antigo e depois pintar... encaixotar, não aguento mais encaixotar coisas, tenho vontade de jogar metade do que tenho fora! aff

Falta uma semana para a mudança e um monte de coisas para resolver, estamos exaustas! Por outro lado a ansiedade pelo novo nos dá pique para continuar a maratona, e a força dos amigos e familiares que fazem questão de ajudar também aquece o coração. É sempre bom ser amada, mas nessas horas é fundamental... rsrsrsrs

Eu já estava ausente do HSA e vou ficar um pouquinho mais, por isso peço desculpas aos meus leitores. Quando eu voltar já terei terminado a oficina de crônicas com a Milly e estarei com tudo novo a minha volta.

Inté!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Para a menina de Melissa no pé


Minha criatividade saiu de férias sem me avisar. Por isso, ando tão afastada daqui, nada flui desta cabeça que muitas vezes é considerada dura... rs

Sexta-feira fomos, eu e Tê, assistir Nara no teatro Jaraguá, um musical lindo, cheio de canções doces. Sentada na confortável poltrona vermelha, com olhos e ouvidos atentos ao musical, me lembrei de uma pessoa que há tempos não vejo. Ela certamente adoraria estar ali, ouvindo e vendo toda aquela beleza... me lembrei de sua ausência e também do quanto me faz falta.

Na platéia a grande maioria eram de donos de cabelos branquinhos, todos cantavam baixinho os sucessos de Nara Leão, entre as músicas a postada acima interpretada por Fernanda Takai.

Dentro daquele teatro, de alguma forma, falávamos a mesma língua... era a saudade, à sua maneira conversando ao pé do ouvido, no escuro, com cada um de nós.

A melodia, a letra, o volume... conjunto de elementos que nos levam para perto daqueles que fisicamente estamos distantes. Basta fechar os olhos, recostar a cabeça em algum lugar, soltar um longo e profundo suspiro e o diálogo entre mente, lembranças e coração... acontece.

Parece que a memória quando afetada por qualquer tipo de amor, fixa ainda mais nossas lembranças... sinto falta das gargalhadas, do jeito extrovertido, das nossas conversas, das viagens que nunca fizemos, de como éramos invencíveis juntas... sim, eu sinto sua falta!

Sai do teatro pensando na vida, nas saudades e em quanta gente deixamos para trás... ao me perder de algumas dessas pessoas, fiquei sem um pouco de mim. Sinto falta dessa minha parte.

Quando há amor incondicional, coração aberto, disposição de ambas as partes e um número de telefone, tudo pode ser resolvido... depende apenas de apertar algumas teclas e dizer: “alô... sinto sua falta, pode voltar com o pedaço que levou de mim?”

domingo, 12 de junho de 2011

Feliz dia dos namorados!

Nessa que sem dúvida é uma das histórias de amor mais famosa da minha geração, Renato Russo mostrou o quanto amar não tem nada haver com receita de bolo, não é nessessário se enxergar no outro para amá-lo, a falta de semelhança pode virar complemento e os padrões ditados pela sociedade não tem nada haver com as coisas feitas pelo coração. Se houver amor, respeito, atração, liberdade e vontade, simplesmente acontece.

O filme é uma homenagem da Vivo aos Eduardos e Mônicas. A publicação dele aqui,  é uma homenagem a todos os tipos de casais e/ou  relações que envolvam o amor romântico. 


"E quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? Quem irá dizer que não existe razão?"

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Presentinho

Este video foi apresentado na segunda aula da ofícina de crônica. Achei muito interessante e por isso quero compartilhar aqui com vocês.

Elizabeth Gilbert é a autora de "Comer Rezar Amar." Clique no link abaixo, espero que gostem!


Ativem a opção legenda em português (Brasil).

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Oficina de Crônica

Hoje começou a deliciosa Oficina de Crônica que é ministrada pela genial Milly Lacombe na Escola São Paulo. A moça ganhou uma fã logo de cara, ela é ótima e eu estou amando o curso.

;^)

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O canto escuro

Todos nós guardamos alguns segredos e questões difíceis num cantinho escuro do armário... é mais fácil fingir que resolvemos algumas coisas, do que entrar em contato com elas. Assim, não é necessário encará-las e podemos usar diversas ferramentas para esquecê-las, mesmo que momentaneamente.

Existem armários trancados a sete chaves, lotados destas questões e segredos, uma barreira entre o passado e o presente que nos permite seguir adiante sem olhar muito para trás. Acontece que somos cercados de pessoas que participam de nossas vidas e uma hora ou outra, alguém, mesmo que sem intenção, pode falar algo que nos fará entrar em contato com aquilo que escolhemos esquecer e/ou fingir que não existe... daí meu amigo, as questões guardadas durante longos períodos virão com uma violência brutal contra seu peito.

Neste momento você provavelmente vai reviver toda a dor que um dia o fez escolher colocar aquilo no canto escuro do armário, a angústia voltará em dobro, porque além de serem coisas não resolvidas e parecerem imensamente maiores do que realmente são, você vai se sentir mal por ter escolhido se esconder delas... e por ter se escondido delas, surgirá em você a certeza de que lá no fundo não passa de um covarde!

Mas covardia é uma palavra muito forte, pesada e pejorativa... podemos até nos sentir assim, mas não é necessariamente a realidade, não na maioria dos casos. O fato de não conseguir fazer diferente naquela situação, não faz de ninguém covarde, talvez fosse cedo para entrar em contato e resolver, talvez estivesse procurando ferramentas para encarar um turbilhão de sentimentos e não se afogar neles. Enfim, cada um sabe de seus motivos, mas covardia a meu ver, é outra coisa.

Se um dia alguém jogar suas questões pra fora do cantinho escuro, esbraveje, chore o quanto precisar chorar, coloque pra fora, isso é natural. São apenas reações pela dor que sem licença te trouxeram de volta, por ter entrado em contado com aquilo que é tão difícil pra você. 

Depois que se acalmar, respire bem fundo e entenda que aquela pessoa pode não ter feito por mal... pense em sua trajetória, nas coisas boas que conquistou e fez, lembre-se de cada luta vencida, de cada elogio escutado, de cada sorriso motivado por e/ou em você. Olhe para sua estrada, para o caminho que percorreu, perceba como é estreita, cheia de curvas, porém bonita, florida e com cerquinhas brancas em toda sua extensão... só assim, terá certeza de que acertou muito mais do que errou, assim entenderá que as questões não resolvidas são muito pequenas perto do exemplo de vida e ser humano que você é!

Tão importante quanto olhar para trás, valorizar tudo que construiu e onde conseguiu chegar, é saber que o armário não pode ficar cheio, que aos poucos você vai precisar mexer nas coisas e resolvê-las... quando conseguir esvaziar o canto escuro do armário e enfrentar todos os seus fantasmas, você entenderá que não conseguir entrar em contato com certas coisas por algum tempo, não faz de você um covarde, apenas tudo tem seu tempo!

Escrito numa tarde fria e ensolarada de outono.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Acontece...

O corte cicatriza, a angústia passa, o medo pode ser vencido, as lágrimas secam, a música acaba... assim, como o melhor dia de sua vida também chega ao fim, para que outros possam vir.

Deveria, mas nem de longe consanguinidade é sinônimo de amor e respeito.

Tudo muda e algumas coisas se transformam... fé impulsiona a força, o medo é o principal incentivador da coragem. Quem erra tentando, aprende muito mais do que aquele que prefere não arriscar. O amor romântico pode se tornar amizade e a amizade pode se tornar amor.

C'est la vie!