domingo, 28 de dezembro de 2014

2015...

Mão na maçaneta, 2015 já está do outro lado da porta... Do lado de cá apenas uma garota comum, carregando sonhos, amores e uma história boa de se contar, mas nem tanto de se viver.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Reflexão...

Eu li em algum lugar que caminho a gente faz andando... Não podemos estagnar, é necessário um passo de cada vez.
Sou a pessoa mais ansiosa que conheço, acredito que por este motivo minha alma carrega essa pressa aflita de vencer e quem sabe assim, ter uma bela história de vida para deixar.
Nunca sabemos a hora de partir, espero ter tempo suficiente para semear amor, ser lembrada por algo bom, eternizar meus pensamentos e fazer valer a pena minha estadia na terra.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Grande Sérgio Vaz!

DEPOIS DE NÓS

Te amo
e sabendo que um dia
eu e você não estaremos mais respirando,
te amo mais ainda.
Porque a morte, é um fato,
um dia levará nossos corpos
para além do que compreendemos
de outras dimensões.
Mas nossos beijos e abraços
que experimentaram o céu e o inferno,
entre saliva e suor
não cabem em nenhum outro espírito.
Te amo hoje 
e nós que já morremos tantas vezes
entre indas e vindas,
entre o silêncio e o ruído da despedida,
aprendemos a juntar os cacos
de nossos corações partidos.
Te amo
porque quando não tinha pernas
você me deu seus braços
e quando você não tinha braços 
caminhei por você.
Quando cuspi relâmpagos e trovão 
lembro do seu sol
no café quente pela manhã
e sempre que você chovia 
estava ali drenando a tristeza
para que você não afogasse em lágrimas. 
Quem tem medo da morte
é porque não conhece seu adeus,
é morrer mil vezes
em mil cruzes de saudade 
estancadas no peito.
Mas quando volta
Estendo minha alma cheia de pecado 
No cabide do guarda-roupa
enquanto as roupas
se estranham no chão,
sem tempo para preces ou oração.
Te amo nesse minuto
enquanto um sorriso queima em sua face
e tua pele esfrega em minhas mãos.
Tiro fotografias
porque gosto de ficar te olhando,
sei que nada é capaz de captar tua beleza,
você só se revela nas minhas retinas 
e entre suas estrias
e meus dentes cariados 
tudo é belo, encardido
e não cabe no olhar de mais ninguém.
Te amo agora
acima da terra
sob o azul do céu
sem adiantos nem atrasos
porque sabe que não sou de chorar em cemitérios,
((flores mortas para quem viveu tanto?!)
E para quem já experimentou a eternidade
sabe que o amor não morre.
Depois de nós o mundo acaba.

SERGIO VAZ
A alegria do palhaço é apenas seu ofício, ele não passa de um cara comum.

domingo, 9 de novembro de 2014

sábado, 1 de novembro de 2014

Aos 35...

Reflexões às vésperas dos 35 anos de vida.

Me encanta toda essa gente de riso fácil e bom coração, da mesma maneira tenho tentado levar a minha vida.

Amanhã fico mais velha, 35 anos, quem diria! Já passei por coisas que vocês nem imaginam, amadureci depois de errar, perdi, ganhei, cuidei para manter, deixei ir embora por não merecer ficar.

Chorei escondida no chuveiro e também no escuro do meu quarto, distribuí amor, flor e compartilhei o bom da vida.

Coleciono alguns tesouros que com o passar do tempo foram ganhando ou perdendo suas colocações, mas pouquíssimos sumiram do ranking.

O melhor que há no passar dos anos são as experiências e forma com que aprendemos a enxergar pessoas e situações.

Todos alimentamos sonhos, eu já quis ser médica (desisti), ter três filhos (tenho duas de pêlo), ser bem sucedida profissionalmente (estou lutando para isso), ter condições emocionais e financeiras para cuidar dos meu velhos (se Deus quiser eu terei). Manter os amigos fiéis dentro de mim (perto ou longe eles estão aqui), mas principalmente, me tornar alguém querida por todos (tenho quase certeza que estou conseguindo).

Hoje levo comigo sonhos mais brandos... Quero formar minha família sem ser julgada por sua composição, afinal família é família. Quero braços abertos, amor gratuito, bate-papos desinteressados e divertidos, filhos adotados ou fecundados, o direito de amar  quem eu quiser sem dedos apontados pra mim.

Com 35 anos, depois de vencer um câncer de mama, a única certeza que carrego é que ninguém fará minhas escolhas, da mesma maneira que ninguém pagará por elas.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Descobertas...

Eu sempre adorei descobrir novos talentos da nossa MPB, olhem que delícia!



Eu mesmo
Paulo Novaes

Tive que esquecer
Me desprender
Chorar até doer o coração
Sofrer até gostar da solidão
Um dia enfim
Alma clareou
Dentro de mim
No interior
O nosso fim
Finalmente assim:
Do jeito que eu quero
Que espero,
Que sou eu mesmo 

E hoje eu sou assim
Cansado do que eu era
Olhando mais pra mim
Pra quem me considera 
E hoje eu to assim
Feliz, em paz, sem medo
Querendo ser assim
Mais perto de mim mesmo

domingo, 24 de agosto de 2014

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Seguir adiante...

Dia cinza, rosto molhado, água que cai no solo, semente que não germina.

Solo infértil, buracos tampados com areia, o vento levando tudo.

O mundo pra fora da janela, em mim o silêncio.

Não há mais nada o que ser feito, só me resta seguir adiante.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Sua morada...

Dizem que coração é terra que ninguém pisa... mas você fez do meu passarela, ergueu sua casa, plantou uma rosa, cuidou dos vulcões e retirou os baobás. Fez dele sua morada e de mim sua mulher.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Vestidos...

Vestidos vindos de todos os lugares desfilavam em frente aos meus olhos, era quase um catálogo, bastava escolher o que me cairia bem, bastava me identificar com o modelo ideal e andar com ele por aí.

Eu que adoro desfilar com um belo vestido perdi muito tempo,  exibi vários...  alguns usei e repeti, outros serviram apenas para uma noite. Houve também os que ficaram no cabide, esses  eu nunca quis de fato.

Deparei-me com vestidos sóbrios,  estampados e coloridos, vestidos soltos e também os colados, conheci alguns recatados e outros provocantes, mas nenhum parou muito tempo em meu guarda roupa, menos ainda em meu corpo.

Durante algum tempo foi impossível não comparar todos eles com aquele de renda, preto, justo, que me caia tão bem. Era o preferido para qualquer ocasião, era o primeiro que ganhava meu olhar acompanhado de um sorriso, mas em pouco tempo ficou roto, desbotado, foi quando descobri que às vezes há beleza, mas não qualidade.

Hoje, não uso apenas vestidos, aprendi que saias também são bacanas... rs

Precisei trocar algumas certezas de lugar, arrumei as gavetas, liberei espaços e olhei pela janela. Foi quando avistei uma nova vitrine, arrumada com o capricho que só as boas marcas tem, modelos lindos, atravessei a rua e fui até lá.


Escrito ao som de Cícero "Açucar ou adoçante?". 

sábado, 7 de junho de 2014

Sempre recomeçar...

Los Hermanos me traz nostalgia, me toca e de certa forma ataca... Essa é minha relação com a música, entro nela e ela em mim.

Tenho minhas preferências, mas o que vale é sentir, desafinar, gritar até perder o ar... Perder o ar e os sentidos, mesmo sentindo tudo.

Quando a música acaba é hora de trocar de álbum, pois o importante mesmo é recomeçar... Sempre recomeçar.

domingo, 27 de abril de 2014

Daí...

Daí ela chega de mansinho, me rouba sorrisos e ocupa os espaços vazios no meu coração... daí ela faz graça, me encanta e quando percebo estou com cara de boba, riso nos lábios, paralisada com o barulho da vida e dos sonhos que voltam a bater na porta do meu coração.

segunda-feira, 24 de março de 2014

A beleza da contradição

Amor idealizado é bom para vender livros, eu prefiro o que é real, sem caos, apenas acertos e desacertos. 

Eu prefiro tanta coisa... Mas no fundo quero o que todo mundo quer, apenas a cumplicidade, o jeito de se acertar depois da briga. Se não for abusar, que tal dois filhos, seu sorriso e a segurança que sinto quando estou em seus braços?

Xiiii, acho que estou pronta para escrever um livro bom de se vender. rs

terça-feira, 11 de março de 2014

Quem sabe isso quer dizer amor...

"Pensei no tempo e era tempo demais 
Você olhou sorrindo pra mim 
Me acenou um beijo de paz 
Virou minha cabeça..."




Cheguei a tempo de te ver acordar
Eu vim correndo à frente do sol
Abri a porta e antes de entrar
Revi a vida inteira
Pensei em tudo que é possível falar
Que sirva apenas para nós dois
Sinais de bem, desejos vitais
Pequenos fragmentos de luz
Falar da cor dos temporais
Do céu azul, das flores de abril
Pensar além do bem e do mal
Lembrar de coisas que ninguém viu
O mundo lá sempre a rodar
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer
Pensei no tempo e era tempo demais
Você olhou sorrindo pra mim
Me acenou um beijo de paz
Virou minha cabeça
Eu simplesmente não consigo parar
Lá fora o dia já clareou
Mas se você quiser transformar
O ribeirão em braço de mar
Você vai ter que encontrar
Aonde nasce a fonte do ser
E perceber meu coração
Bater mais forte só por você
O mundo lá sempre a rodar,
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Prefiro errar...

Perdi minha hora marcada quando em seu abraço me senti segura. Abraçou-me como se quisesse me prender dentro do seu corpo, como se quisesse nunca mais me perder... eu fiquei ali, quieta, mil coisas passando pela cabeça,  agarrada em você como se fosse o único salva vidas em meio ao oceano.

Falamos sobre perdão e futuro, quando dei por mim chorava feito criança. Quando percebi, a porta outrora fechada estava entreaberta.

Descobri que a espera possui duas vertentes: A primeira positiva, que nos dá tempo para pensar, amadurecer e tomar decisões conscientes. A segunda negativa, essa nos anula em prol a algo que de fato possa não mais existir, possivelmente fantasias e desejos frustrados, então o tempo vai passando, a vida também e nada sai do lugar. 

Por isso, é tão importante antes de tomar qualquer decisão controlar minha impulsividade, olhar o todo, pesar prós e contras, lembrar risos e lágrimas.

Sim, está tudo recente, mas sua presença me trás sentimentos bons e leveza, acho que o erro foi me perder entre as possibilidades, tudo ficou muito confuso, não conseguia mais me enxergar, meu coração ficou mudo e com medo de sentir novamente seja lá o que fosse. Medo de dar errado sabe?

A doçura do seu olhar, a facilidade com que ganha meus sorrisos, o respeito e admiração que sentimos mutuamente tem despertado em mim força e vontade de deixar o passado no lugar onde precisa ficar, longe do presente. Já te falei o quanto acho lindo quando faz graça? Suas piadas tem melhorado muito desde que nos conhecemos... rs

Eu que pensei ter errado em colocar muito sentimento em tudo que faço, em ser intensa e muitas vezes pagar por isso, percebo que não colocar me tornaria vazia, artificial e sem graça. 

Prefiro errar sentido, a passar pela vida sem as dores que nos ajudam a organizar a alma.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Do Fundo do Meu Coração...



Eu, cada vez que vi você chegar
Me fazer sorrir e me deixar
Decidido eu disse: nunca mais 
Mas novamente estúpido provei
Desse doce amargo, quando eu sei 
Cada volta sua o que me faz
Vi todo o meu orgulho em sua mão
Deslizar, se espatifar no chão 
Eu vi o meu amor tratado assim 
Mas basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez
Não volte nunca mais pra mim
Eu, toda vez que vi você voltar 
Eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim
Mas já depois de tanta solidão 
Do fundo do meu coração 
Não volte nunca mais pra mim
Se você me perguntar se ainda é seu
Todo meu amor, eu sei que eu 
Certamente vou dizer que sim
Mas já depois de tanta solidão 
Do fundo do meu coração 
Não volte nunca mais pra mim

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A casa é sua...

Daí você chega e coloca a casa em ordem, abre as janelas, rega as plantas do jardim e  me entrega a chave da porta acompanhada daquele sorriso que só você sabe dar. 

Mesmo com tanta confusão no caminho, me diz que desistir não é uma opção. Faz questão de me mostrar todos os dias o quanto me ama, afaga meus cães, compra minhas brigas, me dá colo e cafuné sem eu precisar pedir. Sem que perceba te observo a me fitar e quando pergunto o que foi me deparo com seus olhos molhados e você responde "é só o amor transbordando".

Escrito ao som de "A casa é sua" - Arnaldo Antunes